Livro FAZENDA BANGU

Fazenda Bangu –“A Jóia do Sertão Carioca”.

 

Bangu- Dia 14 de março de 2020, estivemos presente na tarde de autógrafos e entrega aos que colaboraram com a pré-venda e receberam uma edição especial do livro de 300 páginas escrito a quatro mãos por Paulo Vitor Braga da Silva e Benevenuto Rovere Neto, fruto de uma pesquisa de nove anos, tema envolvendo principalmente a origem e a história do bairro de Bangu, documentalmente comprovada de nossa região.

divulgação.

O período que envolve os relatos vai de 1673 até 1914, e comenta somente a instalação da Fábrica, pois o foco era o período anterior ou seja o nascimento do bairro.
Este maravilhoso trabalho de pesquisa, onde somente trinta por cento do material foi utilizado (se não o livro teria o dobro de páginas), o que leva a crer que teremos continuação.

Feito com pré-venda da qual sem a mesma não seria possível este lançamento. E a qual os autores agradecem enormemente por este grande apoio dos 130 benfeitores.

O intuito inicial visava somente a curiosidade pessoal dos autores, mas cada vez que iam descobrindo, mais vontade dava de pesquisar e um riquíssimo material foi dando forma e resultou neste belíssimo trabalho.

Vale ressaltar a contribuição da filha do Benevenuto e da Esposa do Paulo Vitor, pois muitos documentos eram manuscritos em inglês traduzidos por Julia Rovere e Bruna Braga, um trabalho minucioso e cansativo, pois continham palavras muito antigas já em desuso e difíceis de se compreender e consequente de traduzir.
Os autores confirmam que o trabalho das duas foi primordial para a realização

O livro já se encontra a venda no museu de Bangu Ao valor de R$ 45,00

fotos: Luiz Fortes

Benfeitores recebendo a Edição Especial

Na rua Silva Cardoso 349ª – Bangu  (21) 3331-0025

Aberto de segunda a sexta-feira das 9hs às 17hs – almoço as 12hs.

Você que ama nossa região precisa ter esta preciosidade em sua coleção.

#bangu #museudebangu #fazendabangu

(visite o Museu, será uma experiência incrível)

 

 

IFRJ – REALENGO 10 ANOS

IFRJ – REALENGO 10 ANOS

Uma luta da sociedade civil organizada por um ensino de qualidade.

diretora Prof.ª Elisa Poças

A diretora Prof.ª Elisa Poças iniciou sua fala agradecendo a presença de todos contando que inicialmente as aulas daqui, começaram no Campus Nilópolis.

 

O Campus Realengo do IFRJ é resultado de um projeto de expansão do antigo CEFET Química, que visava à oferta de uma Unidade Educacional para o atendimento da comunidade a Zona Oeste do Rio de Janeiro. A presença dessa unidade na região é fruto de 26 anos de lutada população por um Ensino Técnico Federal.

As suas atividades tiveram inicio no 1º semestre de 2009, no Campus Nilópolis, em agosto de 2009, foi transferido para esta unidade própria e definitiva que ocupa uma área de 22.000m², além dos cursos de Graduação em Farmácia, Terapia Ocupacional e Fisioterapia também é oferecido o Curso Técnico em Agente Comunitário de Saúde.

A proposta deste Campus é garantir o acesso das classes populares ao conhecimento, garantindo o ensino plural gratuito, democrático e transparente e transparente. A realidade da Zona Oeste do Rio de Janeiro, desafia o IFRJ a cumprir sua missão institucional de elevar perspectiva de crescimento de socioeconômico e consolidar a instituição como uma referência cientifica, social e cultural.

“Nosso desafio constante é criar vínculo com a região”

O , reitor do Instituto Federal do Rio de Janeiro cumprimentou seus amigos de mesa e ressaltou a importância da gente poder comemorar, pois a gente vive um momento importante e eu não diria nem só de resistência, mas de poder afirmar o papel ainda de consolidação da educação nos nossos pais, e acho que a própria história do campus ela mescla com essa necessidade.

Sr. Rafael Barreto Amada

No Brasil a gente faz educação profissional, faz educação Superior de forma emancipatória, a gente ainda precisa mostrar pra sociedade a importância e ir pro ensino superior, a importância de se dedicar a formação , a importância de buscar conhecimento, então qualquer expansão que a gente faça seja da universidade, seja do Instituto, ela é pra reafirmara necessidade disso, e esse campus, ele surge no momento exatamente que as instituições de educação profissional elas buscam a descentralização dos seus espaços, dos seus campus, das suas instituições e fortalecem isso.

Aqui no Rio de janeiro, a gente sempre teve, a Elisa, deve ter vivenciado isso muito lá, quando foi aluna do Campus Rio de Janeiro, era um grande problema levar um Campus pra Zona Oeste, tinha gente que dizia que a gente ia deixar de estar no Maracanã, pra ir pra Zona Oeste, as pessoas não percebiam que a ideia não era tirar de um lugar, pra colocar no outro, a ideia era aumentar, a ideia era exatamente fazer mais, se expandir. Então essa história a gente vivenciou muito na instituição quando éramos apenas dois Campus a expansão sempre foi por alguns criticada, pois achavam que ia dividir nosso orçamento, vai dividir nossos professores, vai ter gente que não é o “perfil dos nossos estudantes”. Só que a gente provou que a expansão, seja nas universidades, seja nos Institutos Federais, ela promoveu acesso, ela promoveu inclusão, ela promoveu outro perfil que hoje nossos estudantes possuem e que tem gente que ainda é contra. Ter um perfil social diferenciado, tem um perfil de história de vida diferenciado e ai eu acho que tudo se mescla com a história deste campus. Porque esse campus, não é a toa que a própria sociedade se mobilizou para ter um campus aqui…a própria sociedade da região da zona oeste do Rio de Janeiro, lutou para ter este campus e eu acho que essa sociedade, essa população aqui da Zona Oeste foi a grande vencedora desse processo, porque encontraram resistência tanto para este, quanto para o Campus do Colégio Pedro II.

 

E eu acho que isso precisa ser valorizado, então eu acho que a gente precisa realmente valorizar este lado bom, o nosso campo ainda tem uma necessidade ainda de demandas, a gente precisa cada vez mais fortalecer a relação deste campus com a região, pois ainda tem gente que não conhece nossa instituição e ai as vezes perde a oportunidade porque não sabe o potencial que esse campus tem…só que isso não vai acabar também não, não adianta vocês acharem que esse campus vai ser cem por cento conhecido , por que não vai, isso é sempre, só que temos de ter um planejamento de cada vez fazer mais, por exemplo ações como esta onde atores importantes do entorno do Campus, veículos de comunicação, espaços de discussão, os próprios debates que promovemos aqui. Eu lembro que assim que assumi a reitoria a gente fez uma reunião com a equipe inteira do campus, e chegamos ao consenso que precisamos pensar em infraestrutura, pensar na questão orçamentaria que é um fator, mas nunca podes esquecer do ensino, da pesquisa da extensão. Então a gente tentou fazer um planejamento, porque achamos que era o que faltava, precisamos ver a médio, longo e também a curto prazo.

Infelizmente as coisas mudaram um pouco em termos de política de investimento, vieram estes cortes orçamentários, a gente hoje não está tão ruim, exatamente porque fizemos um trabalho forte no legislativo, para conseguir emenda de bancada, querendo ou não ela tem ajudado um pouco a gente não ter que fechar as portas, conseguimos reestruturar a questão orçamentaria, foi um trabalho da reitoria de busca de diálogo com os diferentes atores do processo. Isso nos permitiu não estar tão em “crise”, mas eu tenho muito receio de como estará nosso orçamento em 2020. E a gente não pode deixar que ninguém imponha pra gente um processo de desenvolvimento, não pode impedir que a gente possa avançar então a gente precisa divulgar cada vez mais o que a gente faz, porque a gente faz muita coisa boa que justifica qualquer investimento, qualquer recurso colocado, qualquer Real investido nessa instituição, ele tem impacto na mudança da vida de pessoas dessa região, impacto na pesquisa, impacto na extensão, impacto no dialogo amplo do que é educação e pra que serve a educação.

Eu estava lembrando com a diretora Elisa mais cedo que eu sou ex-aluno do campus de Nilópolis e comecei minha carreira de professor também lá e participei de um grupo de trabalho de readequação e organização do curso de farmácia e lá no início a gente ainda não estava aqui, estávamos tendo aulas em Nilópolis eu tive a oportunidade de também contribuir e por isso me sinto muito parte da construção desse Campus também, por fazer parte da comissão que ajudou a construir o que hoje vocês tem, e com certeza já passou por muitas mudanças, mas e eu acho que isso é o crescimento. Estar aqui hoje é muito bom, a gente precisa cada vez mais valorizar apesar de muita coisa não estar como gostaríamos, mas temos de estar feliz, pela oportunidade de estudar aqui, trabalhar aqui, e esse agradecimento especial à vocês por confiarem no IFRJ, é importante, aos diversos servidores, terceirizados, parceiros que estão no dia a dia, pedir para continuar trabalhando diariamente se dedicando porque a gente vai passar pelos dias nublados e vai acabar com a chegada de um sol destes. Eu tenho certeza que a gente vai mostrar o quanto é importante sim, investir em educação, o quanto essa instituição tem retorno social, quanto te a sua importância e o quanto essa instituição precisa ajudar a Zona Oeste do Rio de Janeiro. Obrigado e Parabéns a todos.

Diretoria do IFRJ

A mesa foi composta além do Reitor Rafael e da Diretora geral Elisa, também pela prfª. Hélia Pinheiro, diretora de ensino, do Sr. Saulo íris Nascimento de Oliveira, diretor administrativo, do diretor de apoio Técnico ao Ensino sr. Luiz Otavio Amaral, e por fim da coordenadora de Extensão prfª. Carolina de Santos Souza.

Serviço: 

Endereço:  Rua Professor Carlos Wenceslau, 343 – Realengo, Rio de Janeiro – RJ

tel: 21 3107-6013

Processo seletivo aberto para o curso técnico em Agente Comunitário de Saúde do IFRJ Campus Realengo

 

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ) tornou público edital contendo as normas referentes ao Processo Seletivo para preenchimento de vagas relativas à Educação Profissional Técnica de Nível Médio, oferecida de forma concomitante/subsequente ao Ensino Médio, para o 2º período do ano letivo de 2019.

No Campus Realengo, são oferecidas 36 vagas para o curso técnico em Agente Comunitário de Saúde.

Para concorrer a uma vaga ao curso técnico em Agente Comunitário de Saúde, o candidato deve ter concluído o Ensino Médio ou estar cursando, em 2019, a 2ª série.

O curso é gratuito tem duração de 1 ano e meio e as aulas ocorrem 2 vezes por semana (manhã e tarde).

O processo seletivo de classificação de candidatos será mediante a realização de prova, que ocorrerá no dia 19/05, domingo.

Serão 10 questões de Língua Portuguesa e 10 questões de Matemática, todas de múltipla escolha, abrangendo conteúdos do Ensino Fundamental e do Ensino Médio.

A classificação dos candidatos acontecerá por meio de dois sistemas de vagas: o de Ampla Concorrência (AC) e o Sistema de Reserva de Vagas (SRV) para Escolas Públicas.

A inscrição deve ser realizada por meio do preenchimento do Formulário de Inscrição disponibilizado na página do Instituto Selecon – www.selecon.org.br – até o dia 07 de maio de maio de 2019. A taxa de inscrição tem o valor de R$ 50,00 (cinquenta reais), e poderá ser paga até o dia 08 de maio de 2019.

 

 

 

 

 

 

 

 

O Edital e mais informações sobre o processo seletivo estão disponíveis no site do IFRJ: www.ifrj.edu.br.

 

 

CLUBE DO RITMO

 

Bibi Ferreira, atriz, cantora e compositora que fez história nos musicais brasileiros, morreu nesta quarta-feira, 13 de fevereiro, aos 96 anos, em sua casa, no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pelo empresário da artista e por sua família, que acredita que Bibi morreu dormindo.

Fruto de uma família profundamente ligada ao circo e ao teatro —seu pai era o ator Procópio Ferreira, um dos maiores nomes das artes cênicas do país, e sua mãe era a bailarina espanhola Aída Izquierdo (também apelidada Bibi)—, a artista estreou nos palcos já aos 24 dias de vida, no espetáculo Manhãs de Sol, com a madrinha Abigail Maia, substituindo uma boneca de pano. Desde então, não deixou os holofotes. Aos três anos, animava os entreatos dos espetáculos da companhia de teatro da mãe, a Velasco.

A estreia profissional chegou aos 18 anos, depois de uma infância de aulas de ópera, piano e violino, além de uma temporada no Corpo de Baile do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, dos sete aos 14 anos. Em 1941, atuou ao lado do pai em La Locandiera, peça de Carlo Goldoni. Apenas um ano depois, fez história ao montar sua própria companhia e tornar-se uma das primeiras mulheres a dirigir teatro no Brasil, com a obra Fizemos Divórcio, em que conduziu o próprio pai em cena. Nessa época, trabalhou com nomes como Cacilda Becker, Maria Della Costa e a diretora francesa Henriette Morineau.

Bibi Ferreira levou muitos dos artistas com quem trabalhou no teatro para a televisão em 1960, quando inaugurou a TV Excelsior com o programa Brasil 60. Também apresentou Bibi sempre aos domingos e, em 1968, estrelou o musical Bibi ao vivo, transmitido direto do auditório da Urca. Pouco depois, realizou os papeis que marcaram sua carreira: My fair lady (Minha Querida Dama), de Frederich Loewe e Alan Jay Lerner, e Hello, Dolly!,  versão da obra The matcmaker, de Thornton Wilder, com Hilton Prado e Lísia Demoro.

A artista também foi responsável por um dos maiores sucessos do Canecão, ao dirigir o espetáculo Brasileiro, profissão esperança, inspirado na obra do compositor Antonio Maria e protagonizado por Paulo Gracindo e Clara Nunes.

Ganhadora do Prêmio Molière, em 1975, por interpretar Joana em Gota D’água, de Paulo Pontes e Chico Buarque —montagem que ambientava a tragédia Medeia em um morro carioca—, Bibi também eternizou a fadista Amália Rodrigues em Bibi vive Amália, nos anos 2000. Também se apresentou acompanhada por orquestra e coral os recitais Bibi in concert e Bibi in concert pop.

Em entrevista a EL PAÍS em agosto de 2018, Fernanda Montenegro afirmou que Bibi era sua “raíz”. “No momento, embora com 97 anos, Bibi Ferreira é a grande mulher, a grande atriz, a grande produtora, a grande artistas dos palcos desse país. Não sou eu. É nela que eu me espelhei quando eu tinha 15 ou 20 anos. Além dela, Dulcina de Moraes. Mas Bibi trabalhou até 95 anos e é também uma cantora extraordinária, uma mulher de palco absoluta”, disse a atriz.

“Ô meu Deus! Que dia triste para o Brasil! Brilhe sempre, Estrela Bibi”, disse Elza Soares em seu conta no Instagram. A também cantora Alcione afirmou que “perdemos a maior personalidade do teatro brasileiro”, enquanto a atriz Zezé Motta disse que não consegue “imaginar o mundo e os palcos” sem pessoas como Bibi.

“Acabamos de perder a grande dama do Teatro Brasileiro. Bibi abrilhantou nossos palcos com seu talento e sabedoria, foi uma atriz, cantora e diretora única em seu entendimento da arte teatral, em seu olhar sobre a humanidade, com a força e o mistério do amor, da entrega e dedicação ao ofício da interpretação. Todos nós aprendemos com ela e a reverenciamos. Vai continuar brilhando no céu de nossa memória. Nos palcos e na vida nosso amor e gratidão eternas! Bravos Bibi”, publicou a atriz Beth Goulart.

IFRJ divulga Edital do processo seletivo para os cursos de graduação

 

O Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) divulgou Edital sobre a seleção de candidatos para o preenchimento das vagas dos cursos de graduação oferecidos pelo Instituto, para ingresso no 1º semestre de 2019, utilizando-se do Sistema de Seleção Unificada (SiSU).

O IFRJ é uma instituição de ensino pública e oferece cursos gratuitos.  Possui 15 campi, sendo um deles situado em Realengo, na Rua Professor Carlos Wenceslau, 343.

O Campus Realengo do IFRJ oferece cursos de graduação em Farmácia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Em 2019, serão disponibilizadas 30 vagas no total para cada curso, sendo que 50% das vagas de cada curso serão ocupadas pelos candidatos que optarem pela modalidade Ampla Concorrência e 50% pela modalidade Ação Afirmativa.

A seleção dos candidatos será efetuada exclusivamente com base nos resultados obtidos pelos candidatos no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), referente ao ano de 2018.

Os candidatos interessados deverão se inscrever através do site do SiSU http://sisu.mec.gov.br no período de 22 a 25 de janeiro de 2019.

O Edital assim como mais informações sobre todos os cursos de graduação oferecidos pelo IFRJ estão disponíveis em https://portal.ifrj.edu.br/processo-seletivo-sisu-2019.

Fonte:

Carolina Andrade

Assessoria de Comunicação

IFRJ Campus Realengo

https://portal.ifrj.edu.br/realengo

https://www.facebook.com/ifrjrealengo

Entrevista com Lutier

Entrevista com lutier

REP: Luiz Realengo em paute descobriu que em Realengo tem um lutier, e eu queria que você primeiro explicasse para as pessoas qual o seu trabalho como lutier?

LUTIER: Existem vários tipos de lutier:existe o lutier que trabalha com instrumento de madeira e existe o lutier que trabalha com instrumento de metal, e existe aquele que trabalha com madeira mas não faz cavaco nem violão só faz contrabaixo, guitarra que é um instrumento um pouco mais diferenciado na maneira de se construir. Eu trabalho só fazendo cavaquinho, violão e banjo, também sei fazer os outros instrumentos, mas não é legal. A forma que eu trabalho na lutiaria é só com instrumentos de madeira em construção, a forma que eu trabalho é todo artesanal, eu uso muito pouca maquinário, apesar de eu ter hoje em dia, mas uso muito pouco, as vezes  até a lixadeira ,quando eu me pego eu to lixando na mão porque  quem me ensinou me ensinou tudo na mão, agente costumava dizer que ele fazia instrumento no dente. Quando eu comecei a conhecer realmente como é que se constrói um cavaco com agilidade eu fiquei até perdido, porque eu conheci uns lutieres que são mega profissionais  os caras são de excelência e vi que a forma que eles construíam e montavam o cavaquinho era totalmente diferente ai eu pensei assim : realmente eu to precisando me aperfeiçoar mais. Foi isso até que me qualificou um pouco a mais de que algum, não to dizendo melhor, me qualificou só um pouco a mais porque eu consigo trabalhar dês da forma antiga, alguns falam dessa forma pré-históricos, como da forma mais moderna. Existem duas formas de construir um cavaquinho, o método contemporâneo e o método espanhol, eu sei fabricar das duas formas. Eu conheço lutierse que tem vinte, vinte cinco anos que não sabem fabricar da forma que eu fabrico.

REP: Alem de fazer a construção do instrumento o lutier também faz concertos, aprimoramentos em algum instrumento ou só mesmo a construção e a finalização do instrumento?

LUTIER: Não. Existe o lutier que trabalha só com a fabricação, não gosta de pegar concerto por que realmente você trabalhar com a fabricação e com o concerto da uma dor de cabeça tremenda, porque o tempo que você pode proporcionar para fazer um cavaquinho você não vai ter o tempo necessário porque você tem  que se dedicar aos concertos ,então acaba atrasando  as fabricações ou atrasando os concertos mas o lutier sim ele sabe concertar, nó entendemos a mecânica como é que se constrói então quando da algum defeito no instrumento agente sabe o que tem de fazer ,então agente também trabalha, no meu caso com reforma e construção;porem existe um rapaz que se chama Gerson que trabalha comigo aqui realizando só os concertos.

REP: A sua demanda principal vem da onde? Vem de músicos da região, vem de músicos de outros lugares, é mais focado no violão, cavaquinho ou no banjo?

LUTIER: quando eu falo que tenho só um ano e dois meses de profissão as pessoas não acreditam; mas quando eu comecei há um ano atrs eu só fazia concerto, porque eu trabalhei com Valtão que foi meu mentor, foi um excelente  professor ,infelizmente já faleceu ,mas quando eu trabalhei com Valter eu fazia muito concerto , então o pessoal que me procurava era o pessoal aqui da região, quando comecei a divulgar no faca book na internet o pessoas de outras cidades começaram a me procurar,então exigiu um aprimoramento maior meu, quando eu fui ver eu já tava fazendo concerto e fabricando.

REP:E hoje em dia, você fabrica mais ou concerta mais?

LUTIER: Hoje em dia eu Luiz Carlos só fabrico mas tem o rapaz que concerta, o cliente que quiser vir pra reparar agente vai fazer, mas vai ser outro lutier que vai fazer ,que também é um excelente lutier .

REP: Você falo que esta desenvolvendo essa habilidade há um ano e pouco ,você tem outra história.Da onde vem essa outra história do Luiz Carlos ?

LUTIER:

E porque eu era lutador de MMA profissional aproximadamente por dez anos, viajava, eu não trabalhava, eu só lutava, vivia realmente da luta, só que há dez anos era realmente muito difícil à vida de lutador de MMA, então eu consegui comprar uma moto de um amigo meu e comecei a trabalhar de moto taxi, então eu conciliava o moto taxi com o MMA, na minha ultima luta eu quebrei a mão e passei uma grande dificuldade fiquei três meses passando fome com duas crianças, graças a DEUS pros meus filhos não faltou nada mas o noite agente queria comer algo eu e a minha esposa  agente não tinha; é a quem eu devo muita coisa a minha esposa , sem ela eu acho que  hoje não estaria onde estou, abaixo de DEUS, lógico. Então eu trabalhando no moto taxi e do nada dentro da igreja, saída igreja e falei: vou vender a moto, vou vender batata. Vendi a moto e comecei a vender batata no meu portão, também não deu muito certo, nem pelo movimento, eu necessitava de comprar batata no Ceasa e não tinha carro, ai eu desisti da batata e comecei a procurar emprego novamente e estava afastado da luta por que tinha a lesão na mão, eu me lembrei do Valtão, comecei a ir à casa do Valtão, eu tinha deixado um cavaquinho meu lá com ele, pra ver quanto é que ele me cobrava  pra concertar e saber se o cavaquinho ainda existia lá, graças a DEUS ainda existia, ai eu comecei indo lá já existia outro Lutier com ele,  Antônio que é um bom Lutier perguntou pra mim se eu queria trabalhar com ele me ofereceu um salário, poxa!! Muito bom. Eu, desempregado, passando uma grande dificuldade, escutei um bom salário, fui; mas foi só ilusão, acabou que ele não teve condições eu nem cheguei a trabalhar com ele; seu Valter viu que eu era um cara dedicado, empenhado e me chama pra trabalhar, foi aonde as coisas começaram a  caminhar para o mundo da Luteria e onde as coisas começaram a clarear pra mim graças a DEUS, ai eu fiquei trabalhando com seu Valter aprendendo por uns três, quatro meses, na época seu Valter  estava com uma cirurgia, se internou durante um mês e meio , voltei a passar um pouco de dificuldades porque eu trabalhava na oficina dele ,eu não tinha nada. Conheci outro rapaz que queria abrir uma luteria e “fechei” com ele essa lutiaria, só que ele não vinha trabalhar, só eu que trabalhava ai eu fiquei muito chateado, e falei que não quero mais nada, quero desfazer tudo, ai ele falou: você me compra isso ai. Comprei com todo maquinário, tudo com dinheiro da lutiaria. O que eu quero explicar é o seguinte: Eu era lutador, de lutador fui pra moto taxista, de moto taxista, vendi batata, depois eu fui pra luteria, a luteria também deu uma queda, e com o dinheiro da luteria hoje eu consegui pagar meus maquinários todos, comprei mais maquinário, tenho a minha loja, depois que sai do Valter comecei a trabalhar na garagem de minha sogra, o chão era todo de barro  vazava água por baixo –só JESUS na causa- Sai de La e consegui alugar aqui onde estou, e estou ai até hoje graças a DEUS. Tudo que eu tenho hoje em dia eu agradeço a DEUS e a luteria, tudo, tudo que eu tenho, e se DEUS quiser ainda hão de vir mais coisas. E hoje em dia eu mando cavaquinho pra Rio Grande do Sul, São Paulo. Estou mandando um  agora pra Bahia, tem um rapaz que viaja pra Santa Catarina que é meu cliente também, graça a DEUS, tem até um musico famoso gospel  Juninho do Banjo eu estou fazendo um instrumento pra ele. Hoje em dia eu não tenho que reclamar mais, só trabalhar bastante.

200 anos de Realengo / 200 motivos pra te amar.

Para comemorar o aniversário dos 200 anos de Realengo a sociedade civil organizada se esforça para dar um presente a altura que o bairro merece, listamos aqui algumas delas que inclusive já começaram, e que terá seu ponto alto no dia 20 de Novembro na praça padre Miguel.200anos olharemmovimento

# Mostra Fotográfica

Reprodução

Desde sexta-feira, dia 13 de Novembro até o dia 20 os moradores podem  visitar a exposição:  Olhar em Movimento com fotos tiradas durante a caminhada pelos pontos históricos do bairro.

Local: Biblioteca digital do Colégio Pedro II – Rua Bernardo de Vasconcelos esquina com rua Dr. Lessa.

Confira a programação na página: https://www.facebook.com/circuitoitinerantedepoesia/?fref=ts

 

# CIRCUITO ITINERANTE DE POESIA

Dentro das celebrações dos 200 anos de Realengo o Circuito Itinerante de Poesia em parceria com a Universidade Castelo Branco promove mesas temáticas com foco na poesia. bethcircuito4Será no teatro da Universidade Castelo Branco – Campus Realengo. A entrada é franca. #Realengo200anos

TEMAS:
1-POESIA ENCENA – O PAPEL DA POESIA NA ESCOLA
DIA: 17/11 – 18h
PALESTRANTE: Beth Araujo ( Atriz, Arte Educadora)
CONVIDADOS: Profª Petronilha Alice Almeida Meirelles
Profª Leila Bicudo – Profº Gustavo Pinto, Profª Mônica Martins,
Profª Martha Nogueira – Diretora da Escola M. Corsino do Amarante

– RELAÇÕES RACIAIS NO ESPAÇO ESCOLAR – POESIA DE SOLANO TRINDADE – APRESENTANDO: SOLO PARA SOLANO – ATOR : CARLOS MAIA
Dia: 17/11 – 19h
PALESTRANTE: Profº Esp.Gustavo Pinto Alves da Silva (Pedagogia/História)
Convidados: Profª. Esp. Elisa Simoni da Silva ( Letras/ Jornalismo)

# A FESTA PELOS 200 ANOS na Praça Padre Miguel.

09 hs Abertura com a Banda Sinfônica da 9ª Brigada de Infantaria do Exército Brasileiro.

200anos programa

– Passeio ciclístico ( concentração na Universidade Castelo Branco ) prevista uma volta na antiga Fabrica de Cartuchos, em apoio ao Movimento: “O Realengo que Queremos” – que reivindica a implantação do PARQUE DE REALENGO VERDE, no local.

-Tradicional Ferinha de Artesanato, marca presença.

– A partir das 13hs – Exposição de Carros Antigos com o Grupo West Volks,

Bate-Bolas – Exposição da Fantasia Campêa que homenageou o bairro no Carnaval deste ano, idealizada pelo Grupo União de Realengo,

– 16hs Flash Mob organizado pela companhia “In Off” seguida de Inúmeras atrações de dança de diversas companhias de Realengo e adjacências,

 SARAU em Terras Realengas? 

O COLETIVO ARTÍSTICO-CULTURAL MARIA REALENGA

200anos Sarau3Organizará o Sarau Cultural “ A Praça é Nossa”. Com a presença de inúmeras atrações artísticas-culturais de nosso bairro.

Com a parte musical sendo coordenada por Alex Nistaldo (Misturando o Som)

Escritores de Realengo estarão apresentando seus trabalhos, e outros de fora mas que registraram nosso bairro muito bem em seus livros.

 

Desde março estamos falando neste evento, lamentavelmente não está sendo feito como sonhado, pois a falta de cooperação dos órgãos oficiais para com a sociedade civil organizada é uma coisa lamentável, uma insignificante colaboração de empresários, onde os pequenos prontamente se prontificaram a ajudar.

 Dentro da programação teremos ainda, cinema na praça! 200anos Cinegrada

A festa é nossa! A praça é nossa! Não estaremos aqui nos 300 anos, portanto vamos fazer bonito para inspirar os que organizarão a próxima!

Pró-Realengo informa: Venha e traga a família, recomendamos sua cadeira de praia, não haverá barracas com comes e bebes, somente o comercio local estará disponível, se for de seu agrado, um piquenique particular com isopor é uma boa opção, afinal somos suburbanos.

#realengo200anos  #midiasdazonaoeste

 

Realengo no circuito das artes

Nos 200 anos de Realengo  atriz traz ao bairro o Circuito Itinerante de Poesia

bethcircuito4

       Uma missionária a serviço da arte e da cultura. Assim pode ser definida Beth Araujo, se é que o ser humano permite algum tipo de definição. Moradora de Santa Teresa Beth, que é atriz e arte educadora, percorre os subúrbios e comunidades pobres de nossa cidade compartilhando sua vivência artística com todos.  Em 2014 ela desenvolveu o Circuito Itinerante de Poesia nos Bairros Cariocas, que este ano celebra os 200 anos de nosso bairro, Realengo. As atividades começam dia 1° de Outubro com o lançamento de um selo comemorativo. O encerramento acontecerá no dia 21 de Novembro com uma intensa programação cultural no colégio Pedro II. Confira um pouco paixão de Beth Araujo pela arte e por Realengo.

 bethcircuito3  Em sua carreira de atriz Beth sempre uniu o poema ao seu teatro. Daí veio o sonho de criar um circuito onde a poesia pudesse ser celebrada em todas as suas formas: “O Circuito se preocupa com o conteúdo, propõe um debate em torno da poesia; Não é um sarau”, nos conta a atriz que além de arte educadora é também pesquisadora, diretora e dramaturga. E como Beth chegou até Realengo? Foi através de sua amiga Martha Nogueira, criadora e diretora do Centro de Memória de Realengo e atualmente diretora da Escola Municipal Coronel Corsino do Amarante. Martha, que foi aluna de Beth no projeto  Poesia em Cena, propôs à amiga que nos 199 anos de Realengo levasse o projeto embrionário do Circuito ao bairro. O evento aconteceu em um único dia.  Ali Beth assumiu o compromisso de retornar em 2015 para mais uma vez realizar o circuito para celebrar os 200 anos. Ela foi se apaixonando pelo bairro e por todas as possibilidades artísticas que ele oferece. Logo sua paixão foi cativando artistas do bairro para se juntar à causa: “Um exército de Brancaleones se juntou a mim para realizar o Circuito”, afirma. Quantos patrocinadores, colaboradores financeiros então apoiando esta iniciativa?  Nenhum! Todas as despesas do Circuito saem do bolso da própria Beth Araujo. Ela é rica? Não, é apenas uma pessoa apaixonada pelo que faz e comprometida com sua arte. “Posso não ter apoio financeiro, mas tenho ótimas pessoas que foram se juntando ao projeto porque acreditaram; é quando se dá a magia do encontro, diz”.

bethcircuito1 bethcircuito2

 

 

 

 

 

 

 

Apenas imbuída do desejo de prestar uma homenagem ao nosso bairro através da arte Beth conseguiu para o Circuito a parceria com o Colégio  Pedro II cujo teatro abrigará as apresentações artísticas , da Universidade Castelo Branco, onde acontecerão mesas literárias, O IX Batalhão do Exército, onde será lançado o selo comemorativo dos 200 anos. Nas seguintes escolas acontecerão atividades culturais durante o mês de Outubro: Solano Trindade, Coronel Corsino do Amarante, Frei Veloso e Professor Henrique Saldanha. A escola Clementino Fraga trará um ao bairro um trabalho sobre a valorização da identidade das crianças.

     No vocabulário de Beth Araujo não existe a palavra dificuldade; para ela é um prazer realizar e sempre soube que teria um ônus a pagar. “A falta de apoio financeiro, patrocínio não me faz choramingar pelos cantos, pelo contrário; não vejo como fardo algo que é meu sonho”, afirma Beth em uma  declaração de amor à Realengo e à arte.

Visitem a Fan Page do Circuito Itinerante de poesia.

 https://www.facebook.com/circuitoitinerantedepoesia?notif_t=page_fan

Darlan de Andrade (ex-morador da vila Vintén) fez esta poesia em homenagem ao Circuito de poesia.

 POEMA DE DARLAN PARA O CIRCUITO DE POESIA.

O RIO RE LÊ REALENGO

REALENGO DE REALEZAS

Beth e Darlan de Andrade foto: Luiz Fortes

Beth e Darlan de Andrade foto: Luiz Fortes

REALENGO VELHO,

DUZENTAS LEMBRANÇAS

REALENGAS

DO RADIO DE PILHA

BANDEIRA COM VACA

TERRA BATIDA

MORRO, FAVELAS E PRAÇAS.

O RIO RELENDO REALENGO

NOS PASSOS, NO TREM, NO ABRAÇO

NO CIRCUITO DE POESIA.

DARLAN DE ANDRADE.

 


 

Esta matéria foi produzida por nosso colaborador  Carlos Maia

Carlos Maia

Carlos Maia

Ator, jornalista, agitador cultural, diretor cinematográfico,

morador da rua Frei Miguel no lado Sul de Realengo

visitem seu blog : http://omundomaia.blogspot.com.br/

Na camaradagem e na amizade se faz boa música

Na camaradagem e na amizade se faz boa música em Realengo.

O compositor e contrabaixista Fabio Gomes nos fala das alegrias e dificuldades de  uma banda do nosso bairro

Por Carlos Maia

 

Fábio Gomes

Fábio Gomes

      “Palmo Deu é samba funk made in Cohab de Realengo, feito com muito suor, pouquíssima grana, mas com muito amor!”  

 Fabio Gomes     

 

 

Realengo é um caldeirão cultural. Em nosso bairro temos artistas plásticos, atores, bailarinos, agitadores culturais e claro, uma enorme variedade musical. E por falar em música agora conheceremos uma banda nascida nos conjuntos da COHAB: Palmo Deu, através de um dos seus membros, o compositor e contrabaixista Fabio Gomes que nos recebeu em sua casa.

palmoDeu 03

Segundo Fabio o nome da banda faz referência a uma brincadeira infantil bem conhecida nos subúrbios cariocas: o jogo de bola de gude.   A formação de Palmo Deu conta com Fábio Gomes, Marcelo França, Jader Sideral, Eliseu Fiuza, Sandro Vieira, Vagner Lopes, Alexandre landy. Como eles são filhos de Realengo e o bairro viu o nascimento de Palmo Deu, os integrantes fazem questão que o lançamento do disco seja em Realengo: “Já tivemos oportunidade de fazer o show fora do bairro, mas não faria sentido devido a nossa história”,  nos conta Fabio que faz um trabalho incansável de divulgação dos trabalhos pela internet.

palmoDeu 02   As canções da banda, que falam do cotidiano e dos anseios comuns a todos nós, encantam o público e a banda faz sucesso por onde se apresenta. Apesar disso Fabio nos diz que Palmo Deu enfrenta as dificuldades inerentes a todos os artistas que não fazem parte do esquema da grande mídia – Os custos do CD foram divididos entre os próprios integrantes: “Todos chegaram juntos com uma grana, doando seu tempo, tudo na camaradagem, amizade,” afirma.

       Um dos obstáculos que a banda e todos os que vivem da música  encontram, segundo Fabio é o monopólio do funk e do pagode alimentado pelas casas de show da Zona Oeste em detrimento de outros estilos: “As pessoas absorvem o que escutam”.  Outra dificuldade é a desvalorização do músico, que recebe muito pouco pelo seu trabalho e não vê o retorno financeiro de todo o investimento que faz na carreira. Mas nada disso abala o Fabio que sempre transmite uma esperança, otimismo e garra.

Vejam aqui uma de suas obras.

        E as referências musicais de Fabio e sua galera? Carlos da Fé (Seria uma honra tê-lo no nosso show, diz Fabio),  Jorge Benjor, Hyldon, a banda Black Rio (formação original), Copa 7, Serginho Meriti, black music, Tim Maia.

         Quer conferir mais do Palmo Deu? Aguardemos o show que está previsto para acontecer no Espaço Cultural Arlindo Cruz ainda este ano. Quando a banda souber a data divulgaremos aqui. Vida longa ao Palmo Deu e a todas as manifestações musicais de Realengo!


Carlos Maia

Carlos Maia

Carlos Maia (colaborador do Jornal Realengo em pauta e do blog pro Realengo)

Jornalista, Ator, Bailarino, Cineasta( Roteirista e diretor dos documentários “Estação Realengo”, e “O Que Você Tem na Cabeça?”)

Morador da rua Frei Miguel no Lado Sul de Realengo.

visitem seu blog:  http://omundomaia.blogspot.com.br/

#realengo200anos real engo200