IFRJ – REALENGO 10 ANOS

IFRJ – REALENGO 10 ANOS

Uma luta da sociedade civil organizada por um ensino de qualidade.

diretora Prof.ª Elisa Poças

A diretora Prof.ª Elisa Poças iniciou sua fala agradecendo a presença de todos contando que inicialmente as aulas daqui, começaram no Campus Nilópolis.

 

O Campus Realengo do IFRJ é resultado de um projeto de expansão do antigo CEFET Química, que visava à oferta de uma Unidade Educacional para o atendimento da comunidade a Zona Oeste do Rio de Janeiro. A presença dessa unidade na região é fruto de 26 anos de lutada população por um Ensino Técnico Federal.

As suas atividades tiveram inicio no 1º semestre de 2009, no Campus Nilópolis, em agosto de 2009, foi transferido para esta unidade própria e definitiva que ocupa uma área de 22.000m², além dos cursos de Graduação em Farmácia, Terapia Ocupacional e Fisioterapia também é oferecido o Curso Técnico em Agente Comunitário de Saúde.

A proposta deste Campus é garantir o acesso das classes populares ao conhecimento, garantindo o ensino plural gratuito, democrático e transparente e transparente. A realidade da Zona Oeste do Rio de Janeiro, desafia o IFRJ a cumprir sua missão institucional de elevar perspectiva de crescimento de socioeconômico e consolidar a instituição como uma referência cientifica, social e cultural.

“Nosso desafio constante é criar vínculo com a região”

O , reitor do Instituto Federal do Rio de Janeiro cumprimentou seus amigos de mesa e ressaltou a importância da gente poder comemorar, pois a gente vive um momento importante e eu não diria nem só de resistência, mas de poder afirmar o papel ainda de consolidação da educação nos nossos pais, e acho que a própria história do campus ela mescla com essa necessidade.

Sr. Rafael Barreto Amada

No Brasil a gente faz educação profissional, faz educação Superior de forma emancipatória, a gente ainda precisa mostrar pra sociedade a importância e ir pro ensino superior, a importância de se dedicar a formação , a importância de buscar conhecimento, então qualquer expansão que a gente faça seja da universidade, seja do Instituto, ela é pra reafirmara necessidade disso, e esse campus, ele surge no momento exatamente que as instituições de educação profissional elas buscam a descentralização dos seus espaços, dos seus campus, das suas instituições e fortalecem isso.

Aqui no Rio de janeiro, a gente sempre teve, a Elisa, deve ter vivenciado isso muito lá, quando foi aluna do Campus Rio de Janeiro, era um grande problema levar um Campus pra Zona Oeste, tinha gente que dizia que a gente ia deixar de estar no Maracanã, pra ir pra Zona Oeste, as pessoas não percebiam que a ideia não era tirar de um lugar, pra colocar no outro, a ideia era aumentar, a ideia era exatamente fazer mais, se expandir. Então essa história a gente vivenciou muito na instituição quando éramos apenas dois Campus a expansão sempre foi por alguns criticada, pois achavam que ia dividir nosso orçamento, vai dividir nossos professores, vai ter gente que não é o “perfil dos nossos estudantes”. Só que a gente provou que a expansão, seja nas universidades, seja nos Institutos Federais, ela promoveu acesso, ela promoveu inclusão, ela promoveu outro perfil que hoje nossos estudantes possuem e que tem gente que ainda é contra. Ter um perfil social diferenciado, tem um perfil de história de vida diferenciado e ai eu acho que tudo se mescla com a história deste campus. Porque esse campus, não é a toa que a própria sociedade se mobilizou para ter um campus aqui…a própria sociedade da região da zona oeste do Rio de Janeiro, lutou para ter este campus e eu acho que essa sociedade, essa população aqui da Zona Oeste foi a grande vencedora desse processo, porque encontraram resistência tanto para este, quanto para o Campus do Colégio Pedro II.

 

E eu acho que isso precisa ser valorizado, então eu acho que a gente precisa realmente valorizar este lado bom, o nosso campo ainda tem uma necessidade ainda de demandas, a gente precisa cada vez mais fortalecer a relação deste campus com a região, pois ainda tem gente que não conhece nossa instituição e ai as vezes perde a oportunidade porque não sabe o potencial que esse campus tem…só que isso não vai acabar também não, não adianta vocês acharem que esse campus vai ser cem por cento conhecido , por que não vai, isso é sempre, só que temos de ter um planejamento de cada vez fazer mais, por exemplo ações como esta onde atores importantes do entorno do Campus, veículos de comunicação, espaços de discussão, os próprios debates que promovemos aqui. Eu lembro que assim que assumi a reitoria a gente fez uma reunião com a equipe inteira do campus, e chegamos ao consenso que precisamos pensar em infraestrutura, pensar na questão orçamentaria que é um fator, mas nunca podes esquecer do ensino, da pesquisa da extensão. Então a gente tentou fazer um planejamento, porque achamos que era o que faltava, precisamos ver a médio, longo e também a curto prazo.

Infelizmente as coisas mudaram um pouco em termos de política de investimento, vieram estes cortes orçamentários, a gente hoje não está tão ruim, exatamente porque fizemos um trabalho forte no legislativo, para conseguir emenda de bancada, querendo ou não ela tem ajudado um pouco a gente não ter que fechar as portas, conseguimos reestruturar a questão orçamentaria, foi um trabalho da reitoria de busca de diálogo com os diferentes atores do processo. Isso nos permitiu não estar tão em “crise”, mas eu tenho muito receio de como estará nosso orçamento em 2020. E a gente não pode deixar que ninguém imponha pra gente um processo de desenvolvimento, não pode impedir que a gente possa avançar então a gente precisa divulgar cada vez mais o que a gente faz, porque a gente faz muita coisa boa que justifica qualquer investimento, qualquer recurso colocado, qualquer Real investido nessa instituição, ele tem impacto na mudança da vida de pessoas dessa região, impacto na pesquisa, impacto na extensão, impacto no dialogo amplo do que é educação e pra que serve a educação.

Eu estava lembrando com a diretora Elisa mais cedo que eu sou ex-aluno do campus de Nilópolis e comecei minha carreira de professor também lá e participei de um grupo de trabalho de readequação e organização do curso de farmácia e lá no início a gente ainda não estava aqui, estávamos tendo aulas em Nilópolis eu tive a oportunidade de também contribuir e por isso me sinto muito parte da construção desse Campus também, por fazer parte da comissão que ajudou a construir o que hoje vocês tem, e com certeza já passou por muitas mudanças, mas e eu acho que isso é o crescimento. Estar aqui hoje é muito bom, a gente precisa cada vez mais valorizar apesar de muita coisa não estar como gostaríamos, mas temos de estar feliz, pela oportunidade de estudar aqui, trabalhar aqui, e esse agradecimento especial à vocês por confiarem no IFRJ, é importante, aos diversos servidores, terceirizados, parceiros que estão no dia a dia, pedir para continuar trabalhando diariamente se dedicando porque a gente vai passar pelos dias nublados e vai acabar com a chegada de um sol destes. Eu tenho certeza que a gente vai mostrar o quanto é importante sim, investir em educação, o quanto essa instituição tem retorno social, quanto te a sua importância e o quanto essa instituição precisa ajudar a Zona Oeste do Rio de Janeiro. Obrigado e Parabéns a todos.

Diretoria do IFRJ

A mesa foi composta além do Reitor Rafael e da Diretora geral Elisa, também pela prfª. Hélia Pinheiro, diretora de ensino, do Sr. Saulo íris Nascimento de Oliveira, diretor administrativo, do diretor de apoio Técnico ao Ensino sr. Luiz Otavio Amaral, e por fim da coordenadora de Extensão prfª. Carolina de Santos Souza.

Serviço: 

Endereço:  Rua Professor Carlos Wenceslau, 343 – Realengo, Rio de Janeiro – RJ

tel: 21 3107-6013