Magalhâes Bastos contra corvadia das desapropriações

Neste sábado 06/04/2013 os moradores de Magalhaes Bastos fizeram uma ato contra as desapropriações da TRANSOLIMPICA.

Segundo moradores o traçado vai desapropriar casas na Rua Salustiano Silva, bem como parte da Paroquia São José de Magalhães Bastos onde funcionam salas de aulas e atividades sociais da paroquia.

PROMESSAS DE CAMPANHA

Os moradores comentaram que numa reunião  em agosto quando o Prefeito prometeu que o traçado não seria aprovado e que a via expressa passaria pelo terreno do Exercito próximo a paroquia sem fazer NENHUMA desapropriação.

Nossa reportagem também participou de uma reunião com o Vice-prefeito Adilson Pires quando o Engenheiro Eduardo apresentou esse traçado que não faria desapropriações.

PASSEATA PELO BAIRRO

Além da concentração os moradores fizeram uma passeata pelas principais ruas do Bairro como Rua general Carombert da Costa, Almeida e Souza, Concordia e Salustiano Silva.

O Realengo em pauta ouviu os moradores presentes na manifestação:

1) Renato Moura pela Associação mComunitária de Magalhães Bastos

Renato Moura MB1

Renato Moura MB2

Renato MouraMB3

Tags , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Realengo em Pauta

Um Jornal totalmente dedicado ao bairro de Realengo. Informando e dando espaço em suas paginas, para que seus moradores expressem suas opniões, encaminhem sugestões e abre espaço para que comerciantes e empresários divulguem seus produtos ou serviços e com isso alavancar o progresso do bairro, gerando emprego aos seus moradores e melhoria de renda.

Uma resposta para Magalhâes Bastos contra corvadia das desapropriações

  1. Marcelo Paulino diz:

    A questão não é de pagar indenização ou não. A questão é que não há necessidade de se pagar nada. Eu como cidadão sei que a Transolímpica é necessária. Mas sem nenhuma necessidade de mexer com pessoas que moram há 50 anos no local e gastar dinheiro público para indenização sem necessidade. A teoria é muito simples. As terras do Exército pertencem a União, se são da União são da Nação. A Nação é o povo. Se o do povo é nosso. Quem está impedindo a linha reta da via é o conjunto de prédios ao lado da igreja. Esses prédios pertencem ao Exercito e foram construído com o dinheiro da União. Então são nossos. Basta demolí-los (caso necessário) e construí-los em outro lugar. Mas tem espaço entre os blocos e Igreja para passar as vias. O problema é que não há vontade política em resolver a situação. Cadê os políticos que viviam atrás do Padre João atrás de votos (Carlos Santana-PT, Molon-PT, Adilson Pires-PT, Luiz Sérgio-PT) todos amigos do Rei (Lula) e da Rainha (Dilma)? Mas seguindo a política do toma lá da cá, do atual Governo e seus aliados, não podem mexer com os militares e incomodá-los no seu Maravilhoso Condomínio, bancado pela União e chamado de Vila Militar. Para quê Cavalaria? As Cavalarias mais tradicionais do mundo já acabaram décadas e mais décadas. Passe pela Av. Brasil e vejam o anúncio de aulas de equitação. Aulas particulares realizadas em dependências da União com cavalos bancados pela União. Acorda povo. Façam oposição ao que está aí. Pensem. Não está nada bom. E vai piorar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *